Cores e formas no trabalho de Calu Fontes

Cada peça feita pela artista plástica Calu Fontes é uma obra de arte por si só. A pintura em porcelana e azulejos, combinada com o uso de decalques, formam painéis, paredes inteiras, móveis e peças atemporais, que nunca saem de moda.

pintura à mão e decalques em porcelana e azulejos

Calu Fontes em frente às suas peças. Técnica mistura pintura à mão e uso de decalques em objetos

Quem visita seu ateliê na Vila Madalena mal consegue imaginar a artista rabiscando os cadernos dos colegas e fazendo molduras para os trabalhos da faculdade de arquitetura. Ao conseguir estágio em uma loja de cerâmica, no entanto, essa vocação pôde – finalmente – ser colocada na cerâmica e mostrada ao mundo.

azulejos pintados à mão e com decalques em painel zen de área externa

Azulejos colados na parede formam um espaço zen em área externa. Antes de começar a pintar, artista rega plantas, acende incensos e ouve música

Calu costuma dizer que nunca sabe como ficará uma peça quando começa a pintá-la. Seu processo criativo começa logo pela manhã, quando ela chega ao ateliê, abre as portas, rega as plantas do jardim, acende um incenso, lê alguma coisa e depois coloca a mão na massa.

Calu Fontes se inspira em orixás, santos, natureza e animais

degraus são preenchidos por azulejos coloridos e desenhados

Azulejos podem ser colados em paredes, escadas e móveis

O trabalho da artista traz alegria e vibração a ambientes variados, como salas, varandas e cozinhas.

azulejos e porcelana pintada à mão são marca registrada da artista Calu Fontes

Na cozinha, painel sobre a pia deixa ambiente bem descolado e jovial

A artista deu uma pequena entrevista para a gente. Confira:

Como e quando você começou a pintar?

Eu amo desenhar desde pequena, sempre gostei! Comecei a pintar porcelana assim que ingressei na faculdade de Arquitetura do Mackenzie, o ano era 1993. Ao invés de estagiar em um escritório de arquitetura optei por um estágio em um ateliê de cerâmica. Assim, as pinturas e desenhos que eu já fazia em papel e aquarela foram parar em cerâmicas e utilitários.

Como se dá seu processo criativo?

Gosto de trabalhar ouvindo música e algumas vezes os trabalhos nascem destas melodias. Também alguns saíram de poemas como um quadro que fiz com um texto da Emily Dickinson, outro foi inspirado em um poema do Neruda e outro em um do Vinicius de Morais. Além da porcelana eu também trabalho com desenho, aquarela e colagens, e geralmente uso o mesmo roteiro quando inicio um trabalho: escolho um elemento que será o ponto de partida para começar e, a partir daí, sigo sem saber aonde vai dar. Gosto de descobrir meu próprio trabalho e me surpreender com que rumo ele tomou. No caso da porcelana, meus trabalhos mesclam o adesivo com a pintura à mão. Geralmente começo fazendo uma base de tinta com texturas e arabescos feitos com pincel. Esta peça vai ao forno. Quando retorna para as minhas mãos, aplico decalques e ela vai ao forno novamente. Muitas vezes continuo o processo fazendo mais uma camada de sobreposição de desenhos e submetendo-a a mais uma queima. Digamos que funciona mais ou menos assim: a cada layer, uma queima.

E a evolução da sua arte? O que você  gostava de pintar e que ficou para trás? Qual sua principal inspiração agora?

No início, eu trabalhava apenas com pintura à mão. Somente após sete anos, introduzi o decalque nas composições.

O que vc gosta mais de fazer? Vasos, azulejos… 

Não tenho uma peça preferida. O estimulante é justamente ter esse leque de opções.

Você diria que suas peças combinam com qualquer estilo ou tem um perfil que se adequa mais?

Acho que combina com qualquer estilo. Fico feliz quando alguém escolhe uma peça no meio de tantas. Como são todas exclusivas penso que ela foi feita para aquela pessoa que a escolheu. Aonde ela será colocada e como será usada fica por conta do cliente, sem minha interferência.

Que ambiente que você mais gostou de fazer?

Atualmente, meu xodó é o painel de azulejos que fiz para o evento Design Weekend. Montei um painel de azulejos nas seguintes dimensões: 5,50m x 2,40m. Foi um presente para a cidade, inspirado na azulejaria portuguesa e nos peixes porque sou filha de Iemanjá e minha família é toda da Bahia. Ele está instalado na esquina da Rua Aspicuelta com Vicente Polito, na Vila Madalena. O projeto Arte na Cidade fica à vista de todas as pessoas que frequentam ou estão de passagem pela rua.

Esse aí de baixo é o xodó da Calu, que ficou de presente para a cidade de São Paulo.

Painel de azulejos foi feito pela artista Calu Fontes durante o Design Weekend e ficou de presente para a cidade de São Paulo

Artista, que tem família baiana e é filha de Iemanjá, se inspirou em peixes e azulejaria portuguesa para fazer painel

A gente agradece, Calu!

As fotos são daqui

Lina Bo Bardi – você conhece e não sabia

Foi ela que desenhou o edifício do MASP (Museu de Arte de São Paulo), do qual seu marido foi curador entre 1947 e 1996. A arquiteta mais importante do Brasil, atrás apenas de Oscar Niemeyer.

arquitetura vao livre

Suas construções frequentemente apresentam extensos vãos livres. O MASP é suspenso apenas pelas estruturas laterais.

Achillina Bo era uma arquiteta italiana, nasceu em 1914 e se naturalizou brasileira em 1951. Veio para o Brasil em 1946, depois de casar com Pietro Maria Bardivia. O casal via no Brasil um país com perspectivas de prosperidade e cenário de uma arquitetura talentosa e promissora, ao contrário da Europa, em reconstrução pós-guerra.

Ela morreu em 1992 na sua Casa de Vidro, a primeira residência construída no Morumbi, em 1951.

lina bo bardi

A Casa de Vidro, 1951.

Como planejado em seu projeto, as plantas retiradas para a construção da casa foram replantadas.

lina bo bardi

A Casa de Vidro, hoje em dia. A área de 7.000 metros quadrados, tombada, tem espécies raras da Mata Atlântica.

Seu envolvimento com a cultura do país foi enorme e ela se considerava “duplamente brasileira”, sendo a nacionalidade que escolheu. Nos seus projetos podemos perceber o impacto do encontro de sua formação erudita européia com a busca das fortes raízes culturais brasileiras: racionalismo e economia de meios com falta de recursos tecnológicos.

lina bo bardi

SESC Pompéia – construído a partir de uma antiga fábrica, sua proposta é ser um centro cultural e esportivo, de “encontro social do proletariado”.

Suas criações são modernas e não tem compromisso com regras ou estereótipos estéticos, muito pelo contrário. Ela liderou movimentos culturais e sociais reconhecendo a arte do brasileiro anônimo, e incluindo-o no circuito artístico com seu devido valor.

 

lina bo bardi

Vista das entradas laterais do SESC Pompéia. Nada convencionais, simples e lindas.

Lina Bo Bardi também desenhou móveis fantásticos, muitos dos quais ainda estão na Casa de Vidro.

lina bo bardi

Cadeira Bowl. Te lembra algum modernista?

cadeira lina bo bardi

A cadeira Frei Egídio mostra claramente sua racionalização no uso de materiais. Foi feita em conjunto com Marcelo Ferraz e o Marcelo Suzuki.

design lina bo bardi

Mesa e cadeira Girafa. Racionalismo puro, bem modernista. Também em conjunto com Marcelo Ferraz e o Marcelo Suzuki.

Fontes: Instituto Bo BardiDwellVitruvius / Arquitextos

Ron Arad – o design made in Israel

O que dizer do cara que projetou o Museu de Design de Holon, Israel?

projeto ron arad

Com linhas orgânicas, o Museu de Design.

ron arad

Linhas limpas e sinuosas da embalagem do perfume Kenzo.

Nasceu em Israel em 1951, estudou Design em Jerusalém e Arquitetura em Londres e hoje é um dos designers mais renomados do mundo.

Fundou a One Off em 1981, e em 1989 a Ron Arad Associates Arquitecture and Design Practices, que acabou absorvendo a One Off alguns anos depois.

espreguicadeira design

Esta chaise mostra a simplicidade e beleza de seu trabalho.

design cadeira

Tom Vac, uma cadeira de plástico. E sempre as curvas e linhas suaves.

cadeira design flores

Clover chair, precisa falar mais alguma coisa?

luminaria ron arad

Esta luminária, a Lolita,  já esteve exposta no MoMa e recebe mensagens por SMS, que acendem os leds, rodeados de cristais.

bookworm ron arad

Esta prateleira você já deve conhecer, se chama Bookworm, ela é flexível e faz o desenho que você quiser.

sofa moderno vermelho

AMO este sofá. A delicadeza e simplicidade são únicas, e ele é assimétrico, com um lado mais alto que o outro, bem acima da cabeça. Da coleção Victoria and Albert.

design banheiro

Este eu deixei por último porque achei uma linda inovação. O disco branco que envolve o chuveiro gira livremente, e um dos lados você pode usar como banheira.

Como teve muita gente que não entendeu bem como a banheira funciona, tem um post só sobre isso aqui.

Imagens: Ron AradDesignBoomBonluxat

Móveis Especiais – Harry Bertoia

Sua especialidade era escultura musical, conhece? Ele estudava os sons que o vento faz nos metais e construía esculturas que eram verdadeiros instrumentos. Também desenhava jóias, aliás ele que fez as alianças de Charles e Ray Eames, que eram seus amigos de faculdade, assim como Eero Saarinen, imagina essa turma junta!

Bertoia nasceu na Itália em 1915 e foi cedo para os Estados Unidos, onde estudou e trabalhou a vida toda.

escultura de harry bertoia

Uma de suas esculturas de metal, da coleção Sonambient. Pena que não dá pra escutar o som que faz…

design harry bertoia

E um de seus broches, de prata. Na época da guerra, em que o metal era muito caro, ele praticou sua paixão fazendo jóias.

Mas ficou conhecido, mesmo, pelo design de móveis. Usando sempre muito metal, em formas leves e modernas.

poltrona diamond bertoia

Esta é a poltrona Diamond, da coleção Bertoia da Knoll. Foi o principal ganha-pão do artista, pelo seu sucesso de vendas, a partir de 1950.

design cadeiras

Esta é a coleção Bertoia, só ficou faltando o banco. Todas podem ter ou não a almofadinha ou ser totalmente cobertas na frente. Originalmente a parte em metal é cromada.

design bertoia

Olha o banco, branco com almofada vermelha. Descontraído e moderno. Pode ser de madeira, preto…

O que eu gosto das cadeiras do Bertoia é que elas são super versáteis. Imagina que você pode pintar a parte metálica de branco, preto ou qualquer cor que você quiser, e combinar com as almofadas também de qualquer cor! Elas vão bem no quintal, na varanda, na sala, no quarto ou no escritório, numa loja, num bar, enfim, QUALQUER lugar.

bertoia acolchoada vermelha

cadeiras pintadas
Sou louca pra ter uma Bertoia de cada cor numa sala de jantar branca…
decoracao area externa

Olha que leves que elas podem ficar fora de casa.

cadeira design jardim

E esta escultura no seu jardim?

Depois vale a pena voltar no post dos Eames para ver a influência entre eles, principalmente nos pés metálicos 😉

Fonte: Knoll

Irmãos Campana

Os primeiros designers brasileiros a ter obras expostas no MoMa (Museu de Arte Moderna de NY), eles são reconhecidos mundialmente. Bem mais do que no próprio Brasil. É só ver que a biografia dos dois na Wikipedia em português tem nada menos que 2 linhas (a versão em inglês tem 3 vezes isso) e que os móveis deles são produzidos fora do Brasil (o que significa que a gente compra tudo importado e 10 vezes mais caro).

Humberto, o irmão mais velho, nasceu em 1953, em Rio Claro, e se formou na USP em Direito. O mais novo, Fernando, nasceu em Brotas, em 1961 e se formou em Arquitetura na Faculdade de Belas Artes de SP. “Queríamos ser escultores. Desse ponto de vista, contaminamos o design”, diz Humberto ao jornal alemão Welt.de. “Nosso forte não é a tecnologia de ponta e sim o trabalho artesanal”, acrescenta Fernando.

O que eles fazem é design-arte. Realmente partem do zero, sem se deixar influenciar por paradigmas, materiais convencionais ou aspectos comerciais. Para se ter uma ideia suas primeiras cadeiras tinham o nome nada convidativos de “Desconfortáveis”. Feitas em ferro bruto, eram obras de arte, sem a intenção de que fossem utilizadas como cadeiras convencionais, isso em 1989.

cadeira irmaos campana

Cadeira Vermelha – 500 metros de corda trabalhadas artesanalmente.

moveis irmaos campana

Boa – 90 metros de tubos de veludo entrelaçados formando um ninho.

cadeira colorida irmaos campana

Cadeira Sushi II – rolos de feltro.

cadeira de piacava

Cadeira Jenette – olha como ele transforma o que pra gente é uma vassoura.

cadeira favela irmaos campana

Cadeira Favela – realmente uma escultura que faz referência às moradias nada sofisticadas…

sapato irmaos campana

… e a Melissa Campana Favela.

poltrona com mangueira de plastico irmaos campana

Anêmona – feita de mangueira transparente, ou de várias outras cores, super confortável.

poltrona de bichos de pelucia irmaos campana

Banquete – de bichinhos de pelúcia.

irmaos campana

Sofá Cipria – também de pelúcia, 9 almofadas.

mesa de centro com espelhos, irmaos campana

Mesa Brasília – a interpretação dos irmãos sobre a nossa capital.

poltrona com arames coloridos irmaos campana

Corallo – arames se organizam lembrando um coral…

sapato irmaos campana

… e a Melissa Campana Corallo.

Olha que barato a camisa que eles fizeram para a Lacoste!

Agora que você é fã que nem eu, visite o site deles www.campanas.com.br

Karim Rashid

Karim Rashid nasceu no Cairo em 1960, foi criado na Inglaterra e em Ottawa, no Canadá e mora, claro, em Nova Iorque. Ele é um designer industrial premiadíssimo por suas criações ultra contemporâneas e bastante conhecido, assim como Philippe Starck, por democratizar o design, levando-o para as massas.

Ele não produz nada olhando para o passado ou a tradição, não faz releituras de estilos e épocas, ele faz questão de viver o momento atual e só usa roupas de tecido tecnológico, por exemplo. Imagina sonhar com o dia em que o mundo seja 50% sintético? E dizer abertamente que não gosta de natureza e que a poesia já não existe?

design moderno e colorido

Realmente, uma imagem diz mais que mil palavras, não?

Um cara obcecado com evolução e em fazer a diferença no mundo, ele descreve seu próprio estilo como “sensualism” que é a mistura de sensual com minimalismo. De fato seus trabalhos são sempre super orgânicos, vivos, fluidos e simples, apesar de chocantes e inovadores.

lixeira de plastico vermelha

Lixeira Garbino, você tem? Já venderam mais de 4 milhões de peças…

sapato rashid

Ele está em todos os lugares… este sapato é dele, Melissa.

poltrona azul redonda

É ou não é “sensualism”??

design poltrona

Karim Rashid em madeira… isso é super raro, ele adora plásticos e sintéticos!

sofa curvo vermelho

Adivinha o nome deste sofá… Orgia!

poltrona triangular pink

Olha as cores que ele adora, tudo sempre super vivo.

cama com tv

The Sphere – uma cama hitech, tem TV de LCD, colchões ajustáveis, lâmpadas embutidas e até suporte para champagne…

cama moderna roxa

Outra cama hitech – com gavetas embutidas, massagem e entrada para iPod.

E ele faz ambientes completos incríveis, como o Majik Cafe, na Sérvia.

decoracao cafe roxa

A fachada já avisa que o ambiente não é nada tradicional, muito menos oriental.

decoracao bar azul

Os painéis em LED das paredes vão mudando de cor ao longo do tempo, trazendo um novo clima a todo momento.

decoracao bar colorido

O ambiente traz uma integração das formas digitais com formas humanas.

decoracao casa noturna

Esta é a porta de um dos banheiros.

espelhos banheiro publico

E o banheiro lá dentro.

A casa dele é um laboratório do que ele quer fazer no mundo:

decoracao colorida e moderna

Para quem achou que as palavras “minimalista” e “alegre” não andariam juntas…

E olha este banheiro! Pra quem viu o post sobre inspiração, que sensação esta paleta de cores te passa?

banheiro moderno pink e cinza

Os metais são criação dele, repare na delicadeza e modernidade…

Via Bedzine, Yatzer, Karim Rashid

Philippe Starck

Os outros que me perdoem, mas ele é meu favorito. Não só pela diversidade de móveis, utensílios de cozinha, fotografias, hotéis ou carros que ele fez até hoje. Não só pela beleza imprevisível e subversiva, ou da irreverência de suas criações. Não só porque ele transforma simples objetos do nosso dia a dia em obras de arte a preços acessíveis e de excelente qualidade / durabilidade. Mas também porque ele continua criando tudo isso todo dia, surpreendendo cada vez mais.

Ele nasceu em Paris, em 1949 e, com certeza você já viu muita coisa dele por aí. Algumas lojas / marcas famosas têm vários produtos dele, como a Kartell e a Alessi.

No site dele, você encontra os projetos e todos os prêmios que ele já ganhou. Aqui, vou destacar o que me inspira, difícil vai ser escolher no meio de tanta coisa bacana…

espremedor de limao design

Juicy Salif – 1990

O Juicy Salif é o meu primeiro por alguns motivos… pra mim ele simboliza o trabalho do Philippe Starck. Além disso, eu AMO limão, coloco em tudo que eu como. E não tem nada pior do que espremer limão com as mãos. Minha mãe tinha aqueles espremedores de suco, mas os gominhos da fruta grudavam naquela peneirinha, depois tinha que transferir pra outro lugar, dava trabalho. E ele foi genial na criação deste produto, claramente a função levou à forma e a forma é liiiiinda. No site dele tem o guardanapo que ele esboçou o produto, enquanto estava numa pizzaria… olha que barato!

desenho design starck

Momento criativo, na hora da necessidade…

Eu fico imaginando a cabeça dele tentando descobrir um jeito do suco não escorrer pra fora do espremedor, e olha que solução elegante ele conseguiu com a elevação do suporte, em relação às pernas. E não dá pra perceber que é muito mais fácil de limpar do que aqueles espremedores convencionais? Com a diferença que esse você não guarda no armário, é uma obra de arte no meio da sua cozinha. Super funcional e elegantérrimo. Traduz a essência do que o Philippe Starck busca: funcionalidade e design para as massas, a preços acessíveis. E olha que eu já testei e curti, viu?

Você com certeza já viu uma cadeira Louis Ghost. Ela é uma revisão do conceito barroco Luis XV, e é considerado o mais corajoso exemplo de injeção de policarbonato em um único molde. Elegância com irreverência e ironia, Starck puro!

cadeira transparente design moderno

Cadeira Louis Ghost, 2002

sofa design vermelho

Ploof, 2002. A Ploof é de polietileno com alumínio, então pode ser usada dentro e fora de casa. Ela é muuuuito confortável, além de bonita e moderna.

poltrona moderna para area externa

Falando em “outdoors”, a série de TV “Boston Legal” popularizou a Bubble Club Chair, com tecnologia super apropriada para ficar fora de casa. E, claro, bonita e funcional – tem até drenagem para a água da chuva!

Saindo um pouco do mundo dos móveis…

design Philippe Starck

Parrot – sim, papagaio! São speakers pro seu iPod, com bluetooth para evitar aquele tanto de fios pela sala, o Parrot tem até subwoofer nos pés.

torneira design

Sim, eu sei que você já conhece este misturador. Starck desenhou em 1994…

Agora entrando no mundo de arquitetura e decoração, vamos ver o que o Starck tem feito nesses anos…

Ele fundou a Yoo em 1999 com John Hitchcox, uma empresa global de design residencial. Ela é uma mistura de imobiliária com escritório de arquitetura, faz parceria com outros designers também e dá vontade de ser milionária pra ter vários ap ‘s deles…

arquitetura assinada Starck

Yoo de Kopenhagen, 2006.

sala toda branca

Olha como o branquíssimo destaca o colorido dos livros na estante verdadeira…

…e o papel de parede de livros em preto e branco.

Yoo Munich, 2007.

decoraçao moderna sala

A integração criativa da sala e da cozinha.

decoracao branca design

Uso de móveis clássicos.

hotel design starck

Yoo Phuket, 2006.

decoracao salas integradas

Yoo Dallas, 2006.

decoracao banheiro luxuoso

Yoo Londres, 2002.

banheiro todo branco com cortina

Yoo Hamburgo, 2006.

jardim com mesas

Yoo Toronto, 2006.

http://www.starck.com/

Móveis Especiais – Eero Saarinen

Eero Saarinen, filho de Eliel Saarinen, nasceu na Finlândia em 1910 mas se mudou para os Estados Unidos ainda muito jovem, onde estudou e trabalhou. Estudou Arquitetura em Yale, mas começou a carreira estudando escultura em Paris, influência que se pode perceber no seu trabalho tanto como arquiteto como designer de móveis.

Saarinen chegou a ser criticado por não ter um estilo característico, na realidade ele tinha uma habilidade de adaptá-lo aos diferentes perfis e necessidades de seus clientes – o que para mim é louvável, na verdade.

cadeira design moderno

Esta é a cadeira orgânica que Saarinen fez com os Eames, ganhando o concurso “Organic Design in Home Furnishings” em 1940.

poltrona design vermelha

Womb Chair, 1948.

Agora olha que bacana a influência entre o Saarinen e os Eames, que tem um post aqui também.

cadeira saarinen branca e vermelha

Essas são as cadeiras Tulipa, com ou sem braço. A Tulipa foi desenhada entre 1954 e 1955, e seu ar futurista contribuiu no seriado Star Trek na década de 60, tornando-a popular. Não lembram as cadeiras de plástico dos Eames?

mesa com pedestal

De 1956, mesas em vários tamanhos e alturas, parece que flutuam…

Pra quem gosta, tem um post com ideias de cadeiras para usar com a mesa Saarinen!

Móveis Especiais – Charles & Ray Eames

Charles e Ray eram americanos e se casaram em 1941, tendo contribuído muito para o design industrial, de móveis e arquitetura, além da indústria de fotografia e cinema.

Foram inovadores no uso de materiais como o plástico, resinas, fibra de vidro, arames e compensados moldados, e trabalharam com outros tantos desigers famosos como Saarinen, Herman Miller e Harry Bertoia.

A “La Chaise” foi criada em 1948 e faz uma brincadeira com o nome do escultor Gaston Lachaise e a própria chaise (cadeira). A combinação de materiais e o movimento de suas linhas realmente fazem dela uma escultura.

espreguiçadeira design eames

La Chaise – plástico reforçado com fibra de vidro, aço e madeira

E a poltrona Eames foi o primeiro móvel de luxo produzido pelo casal, feito originalmente de lâminas de jacarandá, metal e couro. E olha que o site DigsDigs a elegeu como uma das 10 mais confortáveis do mundo!

cadeira design eames preto e madeira

Perfeita para ler um livro no fim da tarde.

Tem as cadeiras de plástico, com algumas variações, mas os pés ainda são de outros materiais, madeira ou aço.

cadeira design eames

Quem tem uma avó com uma cadeira de balanço dessas?

cadeira eames metal

Os pés desta cadeira a batizaram de Eiffel. Sim, referência à torre do mesmo nome.

cadeira eames branca

Repare na combinação dos pés de madeira com metal

Também muito conhecida, a cadeira de compensado moldado, exemplo interessante de como eles começavam pela função e acabavam numa forma muito interessante.

cadeira madeira design moderno

Esta cadeira foi feita em parceria com Herman Miller

Móveis Especiais – Le Corbusier

Le Corbusier nasceu na Suíça em 1887 e foi um arquiteto e urbanista  de grande expressão, posteriormente se naturalizando francês. Ele foi o criador dos “5 pontos da nova arquitetura”:

1 – Pilotis, que tem uma função estrutural.

2 – Plantas livres, onde as paredes não tenham uma função estrutural.

3 – Fachadas livres, também não tendo uma participação na estrutura do edifício.

4 – Janelas em banda, possíveis pela liberdade das fachadas.

5 – Terraço-jardim, que recupera o verde perdido na ocupação da construção.

No Brasil, Lúcio Costa e Oscar Niemeyer são exemplos de terem usado integralmente os cinco pontos de Le Corbusier no projeto do edifício do Ministério da Educação e Saúde Pública.

Seu mobiliário sempre apresenta o uso de aço tubular e um equilíbrio fantástico entre forma e função.

chaise preta design

Chaise lounge preta, toda regulável…

espreguiçadeira design le corbusier

… e com uma estampa super moderna.

Ele desenhou também uma linha de poltronas e sofás muito conhecida, utilizando de novo o aço tubular.

sofa e poltronas em couro preto e aco tubular

Linha completa