O que tem de errado neste apartamento?

O Rafael me mandou um e-mail há algum tempo pedindo ajuda para decorar seu apartamento.

Meu nome é Rafael e moro sozinho, num ap de 45m2.
Conheci o seu blog num pesquina na net e gostei bastante, mas eu não consigo nunca tirar da minha casa um clima de improviso e coisas desconexas.
Estou brigando há algum tempo com minha sala, e ja ouvi comentário de todo tipo da cortina do sofá e do tapete…quase sempre detonando toda a combinação.
Me ajuda a dar um jeito nisso. 😦
A altura da cortina está errada? melhor encurtar? trocar? colocar uma faixa para alongar? devo subir, baixar pra tocar o chão? O sofá, tiro esse xale de cima, coloco de outra cor? troco o tapete? Você recomenda algum lustre? Apesar de todo mundo torcer o focinho para minha casa ninguém consegue bem me dizer o que tenho que fazer.
Me ajuda!
Abraços,
Rafael

Trocamos alguns e-mails para eu entender melhor o que ele queria, e ele me enviou uma foto de inspiração:

Uma imagem que escolhi que tem os sentimentos que eu gosto e quero trazer pra minha casa é essa de uma cidade de Minas que se chama Tiradentes, gosto das ruas de pedras, dos matinhos que nascem nas frestas dos pátios das igrejas de pedras, das ladeiras e das casas com as bordas nas janelas. O meu sentimento nessa cidade é de que o tempo pode correr lá fora no ritmo dele e aqui ele corre no ritmo que eu quero. Gosto do silêncio, poder ver e sentir a brisa entrando em casa, aparência de limpeza e a beleza.

Então vamos lá… para quem tiver interesse em se aprofundar em algum tema, é só clicar nas palavras destacadas. Elas vão te levar a posts relacionados ao assunto.

Vamos partir desse conceito que o Rafael escolheu, que a casa tenha essa cara colonial para ele se sentir em um mundo onde o tempo não passa, super aconchegante e quase rural. Para alcançar esse objetivo, a escolha de tons terrosos e tecidos mais rústicos para o tapete, o xale e a cortina foram perfeitos. Mas o rack da TV e a mesa de jantar, em linhas retas e madeira lisinha, brilhante, parece que vieram de outro lugar, não ajudam a transmitir as sensações que ele quer.

.

1. Madeira de demolição ou madeiras mais rústicas ajudam a trazer o aconchego e o clima rural para dentro de casa. Aqui também uma boa sugestão de luminária.

O centro de mesa claramente não pertence a essa sala, ele é super contemporâneo e frio. Caso você goste do contraste entre o rústico e o moderno, escolha uma peça de destaque para que fique claro que é uma brincadeira e não um improviso de peças desconexas. Uma mesa de laca com os bancos em madeira de demolição, ou cadeiras de acrílico ao redor de uma mesa super rústica, por exemplo, ficam demais!

2. Todo o ambiente é super rústico e as cadeiras Phanton são o oposto disso, o contraste é marcante e indiscutivelmente proposital.

Esse contraste também pode ajudar a  não transformar sua casa em um cenário de novela, temática demais. Use a inspiração sem a obrigação de reproduzir exatamente uma casa do interior de Minas. A toalha de mesa escolhida fica no limite entre a inspiração e o ambiente temático, você não acha?

Aproveitando a foto acima, em que as paredes são de pedra, vamos falar de revestimentos. Pedras, tijolinho aparente, cimento queimado, cerâmica ou ladrilho hidráulico e a própria madeira rústica são boas alternativas.

3. A parede de tijolinho dá destaque para quadros e móveis.

4. Este banheiro tem o piso de pedra e um tapete de fibras naturais "esquenta" o ambiente. A parede é pintada em um tom neutro e com um acabamento de aspecto envelhecido.

Até agora falamos das cores e tipo de materiais e texturas que transmitem o conceito escolhido pelo Rafael. Agora vamos aos detalhes de como organizar esses elementos.

Ainda analisando a foto da sala, repare como está tudo próximo ao chão. Não temos uma distribuição vertical dos elementos. Quadros e uma luminária ajudam a “puxar” os olhos para cima e trazer mais harmonia visual. Inspire-se nas janelas coloridas de Tiradentes 😉

O Rafael enviou uma foto de outro ângulo da sua casa, o corredor entre  a sala, a cozinha e os quartos.

tapete no corredor

Olhando da sala, à direita temos a porta da cozinha e do quarto, e ao fundo o banheiro do Rafael.

A primeira coisa que me chama a atenção nesta foto são os tapetinhos na entrada dos cômodos. Qual o objetivo? Limpar os pés? Isso faz muito sentido em uma fazenda, mas num apartamento urbano reforçam aquele aspecto temático que falamos antes. E de improviso também, do tipo “eu tinha esse tapete, não sabia bem o que fazer e coloquei aqui”. Ele não parece ter sido escolhido especificamente para este ambiente, e até oferece perigo de escorregar ao sair da cozinha, por exemplo. A princípio não vejo necessidade de tapete nesse corredor, mas se a ideia é trazer mais aconchego, melhor seguir na linha do tapete da sala e em tamanhos maiores.

Ainda falando em proporções, os espelhos são pequenos para essa parede, e a distância entre os espelhos de um par é maior do que seu próprio tamanho, desconectando-os, eles parecem perdidos. Voltem lá na foto 1 e reparem nos espelhos para ter uma referência. Sem falar que eles não são muito a cara do resto do apartamento, né? Muito moderninhos e urbanos.

Basicamente, minha dica é: assuma o conceito por inteiro, sem medo de ser feliz! Mantenha-se sempre focado nos tipos de materiais, cores e sensações que você quer transmitir. Isso é muito mais importante do que o comprimento da cortina, acredite! (Aliás, sim, ela vai ficar mais bonita se encostar levemente no chão…)

Imagens: 1, 2, 3, 4

9 respostas em “O que tem de errado neste apartamento?

  1. Ah, esqueci de elogiar o site, o seu trabalho e as dicas maravilhosas que venho já utilizando há um ano, desde que comecei a me interessar por decoração.

    Muito obrigada e um abraço!

  2. Oi Manu,
    Este post de janeiro de 2011 e o Rafael não postou as fotos de como ficou o apartamento.
    Fiquei curiosa pra saber como ele se virou com suas dicas.

    Há algum tempo atrás também tive uma dúvidas sobre minha sala, que não parecia perfeita. Contratei uma design e ela se perdeu em sugestões impertinentes.
    Então, eu mesma parei e analisei. Percebi que os quadros estavam com moldura antiga e meu conceito é moderno, clean, jovem e alegre. Mudei para uma pintura abstrata. Troquei o tapete por um geométrico com as cores básicas da sala. Modernizei a luminária, coloquei um chale por cima da persiana pra dar um toque feminino e voilá! tudo ficou perfeito.

  3. …aproveitar e abusar um pouquinho de vc rs…
    Gostaria muito de fazer uma graça no piso do hall de entrada (que ainda não sei qual será), mas gosto dos tons de beges, não gosto dos muito claros), (gosto do tipo Galileu Crema Portobello (se n me engano).
    Mas tenho medo de enjoar do desenho, não sei o que se está usando. O hall fica entre uma sala, e um escritório (tudo sem parede). O espaço é de 3 e meio por 2 e meio. Será que vc poderia me fazer a gentileza de enviar algumas fotos com algumas idéias ou mesmo postar no blog?!
    Abraços, Ana Paula.

    • Ana,
      não me importo muito o que “está se usando”, a não ser que faça sentido para a proposta do projeto. Se você gosta e quer um ambiente clássico, faça isso! Não tenho fotos específicas desse tipo de desenho, mas é super fácil encontrar em marmorarias ou no Google.
      Boa sorte
      Manu Mitre

  4. Olá. Estou visitando bastante seu blog pq no momento estou construindo. Mas mesmo antes eu sempre dava uma olhadinha. Seus comentários são tão pertinentes, tão bons; tem me ajudado pacas. Parabéns por ser tão bacana e compartilhar seus conhecimentos com todo mundo. Abraço, Ana Paula.

  5. As propostas são todas muito lindas e criativas, mas eu não consigo gostar da madeira de demolição. Será que sou só eu? Eu acho simplesmente medonha. Parece sobra do tapume da obra que usaram pra fazer móveis, não reflete beleza, sofisticação ou aconchego. Não parecem bem acabadas, em geral são expostas nas lojas com furos, sem pintura ou lixamento.
    Adoro decoração e encontrei seu blog ao acaso, que bela surpresa.
    Um abraço,
    Denise

    • Oi, Denise, que bom que você gostou do blog, volte sempre!
      Estou morrendo de rir do seu comentário. Não precisa gostar de madeira de demolição, não, tem mil formas de conseguir o efeito de aconchego e essa é a beleza do design de interiores – não tem certo e errado.
      A ideia do uso da madeira de demolição é para quem tem a intenção de transmitir essa impressão de inacabado, rústico, de que não é tão comercial, industrializado ou produzido em massa, sabe? Ajuda a dar um ar rural e personalizado. Já que esta não é sua intenção, a madeira de demolição fica descartada 😉
      bjos
      Manu Mitre

  6. Pois eh, eu voltei!! Acompanhava seus posts porque recebo por e-mail, mas andava meio desconectada do mundo dos blogs!
    Excelentes comentarios e dicas sobre o apartamento! Isto eh mesmo muito complicado de fazer. Comecar um projeto novinho em folha eh muito mais facil do que “consertar” algo ja existente. Adorei.

Os comentários estão desativados.